sexta-feira, 27 de abril de 2012

Temos o direito a uma formação bíblica...

Falamos sobre tanta coisa que envolve a catequese, métodos, material, ausência dos pais, planejamentos, mudança de mentalidade, mudança de época,  banalização dos sacramentos... Mas, o nosso desafio maior está na formação do catequista. Já falei sobre isso várias vezes e isso me dá uma certa melancolia.  Fico meio revoltada mesmo. Porque a maioria dos catequistas e comigo não foi diferente, começamos na catequese sem nenhuma formação bíblica. Primeiro deveríamos ser preparados, assim como Jesus fez com seus discípulos. Formou, depois os enviou.

Será que existe em algum lugar desse mundo alguma paróquia com a preocupação de primeiro formar seus futuros catequistas e só depois confiar a ele essa missão tão exigente, tão importante como a de FORMAR CRISTÃOS?

Me preocupo com a formação básica dos catequistas, principalmente sobre os relatos do Antigo Testamento. Quando o catequista busca, se prepara, corre atrás, ainda está bom. E quando não? 


TENHO O GRITO A FAZER E FICARIA FELIZ SE ALGUÉM ME OUVISSE:
PRECISAMOS E TEMOS O DIREITO A UMA FORMAÇÃO BÍBLICA.
ANTES DE EXIGIR, OFEREÇA...
NINGUÉM DÁ AQUILO QUE NÃO TEM...
Quantos anos um vocacionado tem que estudar antes de  se tornar um sacerdote?
E o catequista?

Estou publicando um material, que na verdade nem deveria, por causa dos direitos autorais do autor do livro, mas a causa é nobre. Aproveito para indicar esse livro, um dos primeiros que comprei para minha biblioteca catequética. Na falta de uma formação, ele vem nos responder a muitas de nossas duvidas...
Até breve!
Imaculada
********
Diz a Bíblia que Deus mandou Abraão sacrificar o seu próprio filho Isaac! Como pode Deus exigir isso?
Quem ler o relato bíblico e o interpretar ao pé da letra sentirá, sem dúvida, revolta e indignação contra Deus! De fato, não se compreenderá jamais porque Deus exigirá como prova da fidelidade de Abraão, o sacrifício do próprio filho!

Mas não se pode ler os textos bíblicos ao pé da letra. Essa narração a respeito de Abraão é também um gênero literário, isto é,  um modo de se escrever; tem a finalidade de ilustrar duas grandes idéias: primeiramente, a fidelidade de Abraão a Deus, e depois mostrar que o Deus de Abraão é o Deus da vida e não da morte.

Para o autor, Abraão fora de tal modo fiel ao Deus verdadeiro que, para cumprir um compromisso com ele, esteve disposto até a sacrificar-lhe o seu próprio filho – como se faziam as religiões pagãs para com os seus ídolos.

Por essa fidelidade absoluta, Abraão foi digno das grandes promessas que Deus lhe fizera: ter grande descendência, tão numerosa quanto a poeira da terra e as estrelas do céu (GN 13,16; 15,5)
A força do relato está no realce que dá à fidelidade de Abraão a Deus e ao alto grau de sacrifício que ele estava disposto a fazer pelo Deus verdadeiro que a ele se revelara na longa caminhada e com quem se comprometera. Por outro lado, essa narração é, segundo a Bíblia, protesto radical contra o costume cananeu de sacrificar aos deuses os filhos primogênitos. Tal costume era condenado por Deus (Lv 18,21/ 20,2-5; Dt 12,31; 18,10). Mas alguns reis ímpios tinham tentado reintroduzir essa prática em Israel (2Rs 16,3; 21,6; 23,10).

Contra esse abuso é que o autor protesta e usa a história de Abraão para mostrar que o Deus de Israel é o Deus da vida e não da morte. Insere então, já na história de Abrão, a rejeição por Deus desse costume pagão. Sublinha com isso a tradição israelita do respeito pela vida; os primogênitos dos israelitas deviam ser resgatados (Ex 13,11-12) e não sacrificados; isto é, deviam ser consagrados ao Senhor e não oferecidos em sacrifício.

O episódio pode ser considerado como relato de “fundação de santuário”, isto é, feito com a intenção de mostrar aos leitores que no monte Moriá estava o santuário do Deus vivo, o Deus de Israel, no qual não se ofereceriam vítimas humanas, e sim apenas animais. O monte Moriá é, segundo Gn 22,2, o monte sobre o qual Abraão sacrificaria o próprio filho, como é também, segundo a tradição de 2Cr 3,1, o monte sobre o qual fora depois construído o Templo.

Nessa ótica o relato do sacrifício de Isaac perde todo o peso de tragédia e ganha colorido histórico e teológico especial que o torna um dos mais belos e significativos relatos bíblicos: quer mostrar a fidelidade absoluta de Abraão a Deus; sublinha a  idéia da originalidade do deus de Israel, que é o Deus da vida( e não da morte, como eram os deuses pagãos); é relato histórico-litúrgico sobre a existência do santuário de Deus no monte Moriá (onde no tempo do autor estava edificado o Templo); e finalmente, à Luz do NT, esse relato tipifica a paixão do Filho único de Deus, sacrificado pelos pecados do mundo, como vítima da Aliança definitiva.

Do livro “Bíblia: perguntas que o povo faz de Frei Mauro Strabeli
Editora Paulus



14 comentários:

  1. Amiga, sou solidária a vc neste grito.
    Uma vez eu disse: "nunca saberemos tudo sobre um Deus que é infinito"...
    e essa é a realidade na vida do catequista apaixonado pela doutrina, quanto mais a gente estuda, mais a gente vê que ainda tem tanto a aprender!
    só que para ser catequista tem que ter ao menos o ensino bíblico básico... não podemos ir ao encontro com aquela lidinha de véspera e ficar com uma folhinha na mão para encarar a turminha... o tema tem que estar na nossa veia, tem que fazer parte da nossa vida.
    falar sobre a formação do povo de Deus e dos patriarcas principalmente para crianças é complicadíssimo, pois eles já viram filminhos e desenhos e às vezes sabem mais que a gente, nos deixando com a cara no chão com suas perguntas rs...
    se precisar de apoio e ajuda pra gente formar um grupo de estudo, conte comigo, ok?
    beijinhos e fique com Deus.

    ResponderExcluir
  2. Precisamos muito de formação! Na minha cidade, cursos somente os oferecidos pela coordenação diocesana e com vaga limitada por paróquia. Tem também as catequistas com condição financeira apertada que nem sempre podem comprar livros, acesso a internet(acredita?) e investimento paroquial zero. Agradeço a Deus sempre por vocês que são nosso suporte diário, Shenia, bjos.

    ResponderExcluir
  3. Elizete - Saõ Joaquim da Barra27 de abril de 2012 16:54

    Boa tarde, Imaculada!
    Parabéns pelo material postado.
    Muito importante abordar este assunto, não basta ter fé temos que estar preparados e informados para os questinamentos que nossos catequizandos fazem a todo instante, uma informação errada pode por tudo a perder.
    O catequista como outras pessoas, tem que ter a consciência de que para formar pessoas na fé ele precisa também ser formado. Penso que todo catequista antes de ensinar tem primeiro que aprender.
    Um dos pontos fundamentais da catequese e a formação, chega a ser um desafio mesmo fazer com que todos os catequista estejam preparados para a missão de evangelizar, mas isto esta ainda muito longe de acontecer, alguns catequista ama o que faz, mas não da muita importância para formação.
    Como posso ensinar aquilo que não aprendi!O catequista de certa forma e um educador que tem que estar em constante formação, não podemos ser incoerêntes ou estar desenformados com o que passamos a nossos catequizandos.
    Temos que estar bem informados sobre a Bíblia, Liturgia, Doutrina e Documentos da Igreja, mesmo quando não temos formação oferecida pela nossa Paróquia, temos materiais ricos como a Bíblia, o Catecísmo da Igreja Católica, Livros, Blogs, Sites Católicos e tantos outros que podem nos ajudar e dar suporte as nossa formações.
    Que Deus nos ilumine para que possamos buscar informação e formação, para que nossa catequese seja rica, e que nossa Fé não seja questinada por falta de formação.
    Beijsss, fique com Deus!

    ResponderExcluir
  4. Eita, essa foi boa, esse grito veio numa boa hora. Vou ajudar a Shenia a desabafar, em nossa diocese tem isso de vagas limitadas, e nem todos os catequistas tem a oportunidade de ver os encontros que por sinal fico sabendo que são ótimos. Minha coordenadora chega falando, Jonathan tava ótimo lá em Sete Lagoas, tinha uma coisa lá que fulano precisava ouvir, sicrano precisava de ver algo, beltrano tinha que ter lido tal texto e visto tal dinâmica. Triste, mas fazer o quê? O jeito é servirá como pode rsrsrs (servirá nos 30). A cobrança não deixa de ser feita, muitos jogam indiretas, mas investir em nós não vejo nada disso. Até já recebi convite de ir, mas sempre é no dia e horário de catequese e acho injusto eu largar meus catequizandos, a pesar de que seria um bem pra eles o catequista buscar algo novo, mas penso que poderia ser muito bem em outro horário.

    Querida como você já sabe, amanhã meu encontro é sobre Abraão, conhecia a história, mas precisava de estudar mais para ir afiado para a catequese amanhã, quando li a história de Abraão, tive esse pensamento de que Deus estava sendo covarde (Deus que me perdoe da palavra) de fazer aquilo com Abraão, mas depois no final e depois de muita meditação, tomamos o conhecimento do que Deus quis dizer e nos ensinar com isso. No final nem foi preciso de Abraão sacrificar seu filho. Isso mostra que Deus nos testa, ele nos testa para saber até onde nossa fé vai. Eu mesmo sinto que estou sendo testado por Deus, terei paciência e sei que ele um dia vai olhar pra mim.

    Bela postagem minha querida amiga.

    ResponderExcluir
  5. Boa noite minha irmã...
    Lendo seu desaafo e sua reinvindicação eu fiquei imaginando como está a estrutura de sua paroquia e ainda mais da pastoral catequetica. Não permita que alguem novo assuma uma turma de catequese, precisa ter formaçao para isto, se isto esta acontecendo, sua pastoral nao anda bem. A estrutura basica é coordenaçao e catequistas, os coordenadores recebe formação que tem a prioridade de passar para os demais catequistas, que por sinal alem de receber formação da coordenação buscam seu estudo individual. Busque uma organização o mias rapido possivel!!!

    Grande abraço

    ResponderExcluir
  6. Imaculada...
    Concordo plenamente com você, quando iniciei na catequese há 2 anos, tivemos alguns encontros de formação, mas, não bíblica, hoje estou participando da Escola Biblica que esta havendo na nossa Paroquia, e lamento muito nao ter isso antes de iniciar a catequese, sao 3 horas semanais, que passam como se fossem apenas 10 minutos, estou amando aprender mais sobre a Biblia.

    Abraços ...

    ResponderExcluir
  7. Imaculada, sou fã do seu blog e de suas palavras. Me chamo Cleusa, moro em Valência aqui na Espanha, vim pra cá a pouco tempo com meus 2 filhos e meu marido, aqui é bom que consigo entender um pouco a língua, só que meus filhos ainda tem dificuldades, principalmente na escola. Até procurei o padre daqui para saber a respeito da catequese, mas achei melhor eu mesmo catequizar meus filhos e hoje sigo com a ajuda de vocês catequistas blogueiros do Brasil. Eu amo o seu blog, aprendo muito com você, e o que aprendo com você eu passo para meus filhos. Já meus filhos amam o blog de um catequista daí do Brasil que é o Jonathan Cruz, lá meus filhos mesmo tira as atividades, imprimi, faz e me mostra. Vocês não tem ideia do tanto que vocês são importantes . Quando chegamos aqui, chegamos meio perdidos com tudo, até mesmo com a religião, a única certeza que temos é que Deus está do nosso lado. Mas chega de tanto falar, o que quero é que você me ajude, meu filho me perguntou qual era a religião de Jesus? E quem criou a religião católica? Me salva, socorro... disse a ele que ia buscar me informar sobre isso. Acho que a dúvida dele surgiu, devido aqui possuir muitos ateus, apesar de mais da maioria ser católico. Me ajude. Mais tarde volto para ler. Foi um sacrifício comentar aqui, pois a internet aqui é muito lenta, e não consigo deixar recado. Meus filhos queria muito comentar no blog do Jonathan, mas também não consegue, mande um abraço por nós.

    Cleusa/Valência-ESP.

    ResponderExcluir
  8. Imaculada, como estamos chick!!! rsrsrsrs, Isso é a recompensa que Deus nos manda rsrsrs. Que felicidade enorme Cleusa. Seja sempre bem vinda lá no blog tá bom? Vai tentando comentar lá também uai rsrsrs.

    Imaculada, que bomba de pergunta é essa heim? Quero ver você resolver essa rsrsrs. Será qual a religião de Jesus? Essa foi boa rsrs... Ixiiii me embananei todo pra responder rsrs... Me imaginei em seu lugar, imagina se um catequizando faz isso comigo, nem quero pensar rsrsrs.... melhor ir lá pro meu bloguinho e aguardar os próximos capítulos... kkkkkkk

    ResponderExcluir
  9. Imaculada, você havia comentado desse livro comigo, e na mesma semana eu entrei no site da paulus e comprei, ELE É OTIMO, com certeza tem sido uma grande formação, já estou terminando de ler, e depois vou reler, vou indicar ele para a coordenação da catequese. Ele esclareceu muita coisa! Obrigada, você é sempre uma luz!!

    ResponderExcluir
  10. OI Carina, ele tb me ajudou muito, o meu já está todo amarelinho..rssr Fico feliz se ajudou tb a vc...
    E vamos, juntos sendo luz, sal, tempero para aqueles que Deus colocar em nosso caminho... Agradeço a Deus, por ter conhecido vc, uma pessoa tão linda, tão dedicada... Beijo enorme...estou pensando e planejando nosso encontros com os catequistas daí...
    Bijus, cheio de saudade!

    ResponderExcluir
  11. OLÁ! É A PRIMEIRA VEZ QUE ACESSO ESSE BLOG... AMEI!!! MAS AO LER OS COMENTÁRIOS PERCEBI QUE A CLEUSA FICOU SEM RESPOSTA. NÃO SEI SE POSSO AJUDAR... MAS VOU COMENTAR A CERTEZA QUE TENHO... NOSSA IGREJA FOI FUNDADA PELO PRÓPRIO JESUS CRISTO. QUANDO DISSE: "TU ÉS PEDRO E SOBRE ESTA PEDRA EDIFICAREI A MINHA IGREJA..." ( MAT 16, 16-19). PEDRO FOI O NOSSO PRIMEIRO PAPA... NA BÍBLIA AVE MARIA EXISTE UM GLOSSÁRIO NO FINAL QUE PODE NOS AJUDAR COM ALGUMAS PALAVRAS CHAVES PARA PODERMOS CONSULTAR AS CITAÇÕES BÍBLICAS E CADA VEZ MAIS NOS APROFUNDARMOS NA PALAVRA DE DEUS E NOS TORNARMOS MAIS CATÓLICOS... UM GRANDE ABRAÇO... TATIANE FERREIRA

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. OLá Tatiane, que vc ter vc aqui... se gostou, volte e vasculhe à vontade... Quanto à pergunta da Cleuza, acho que respondi com uma postagem... vou ver aqui!! Beijo grande

      Excluir
  12. Tatiane, a resposta para Cleuza, está nesse link... veja...

    http://imaculadacintra.blogspot.com.br/2012/05/respondendo.html#links

    ResponderExcluir
  13. Olá! Diante do seu relato quanto "gritar por formação", posso dizer que sou uma catequista privilegiada, pois a Paróquia da qual faço parte tem investido bastante na formação de sesus catequistas, principalmente, diante desse novo processo que é a IVC. Mas, acredito que a busca por uma formação mais aprofundada deve partir de cada um; a Bíblia está a disposição de todos das mais variadas formas e, é só através dela que conheceremos os ensinamento do Nosso Senhor Jesus Cristo. (Manaus/AM)

    ResponderExcluir

Seu comentário é sempre muito importante!
Não conseguiu comentar?? Calma, não saia ainda, escolha e opção ANÔNIMO e não esqueça de se identificar no final de sua mensagem!
Viu só, que fácil! Volte sempre!